Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Everything is a Choice

🍀 Escolho a paz e a harmonia pois é o melhor para mim! 🍀

Everything is a Choice

🍀 Escolho a paz e a harmonia pois é o melhor para mim! 🍀

Lembrou-se

Rapariga do Campo, 13.01.23

Tenho uma amiga que costuma estar dias, por vezes duas ou três semanas, sem me responder às mensagens. Não tem filhos, não tem marido. Diz que não tem namorado. Não compreendo a razão para não me responder às mensagens curtas que trocamos. Uns dias, é compreensível. Semanas? É exagero. Deixa-me preocupada e nem com as mensagens de preocupação ou chamadas ela se digna a responder-me. Desta vez decidi fazer o mesmo e paguei na mesma moeda. Estou praticamente desde o Natal ou quase desde o final de 2022 sem lhe dizer o que quer que seja. Há uns dias mandou mensagem na internet e ainda não lhe respondi. Pode ser que sinta o mesmo. Provavelmente deve começar a chamar-me vários nomes como é o mais normal nela quando as coisas não lhe correm como o previsto e quando as pessoas não lhe fazem o que ela quer. É a vida.

Aniversários

Rapariga do Campo, 29.12.22

Fiz anos e continuo a ficar surpreendida com algumas coisas. Bem sei que é época natalícia mas acho que se arranja um bocadinho de tempo ou não? Pessoas que dizem que me adoram não me telefonam nem me mandam mensagem, ou se mandam é uma mensagem curta. Ainda se dizem melhores amigos. Outras em que há uma relação quase nula, quase não falamos ao longo do ano a não ser em épocas festivas mas há visitas às casas dos familiares próximos, telefonam-me e há uma chamada de quase um quarto de hora. E depois há outros em que não há relação praticamente nenhuma, as mensagens são quase zero, pensava eu que se esqueciam e afinal acabo surpreendida: há mensagens longas ou engraçadas.

Este ano fiquei mesmo espantada. Negativamente com umas pessoas mas positivamente com outras. Não esperava mesmo as atitudes de umas mas por outro lado não estava mesmo à espera que outras pessoas se lembrassem do meu aniversário e isso sobrepõe-se ao resto e deixa-me bastante feliz e agradada. É sinal que sou minimamente importante. Já para aquelas que dizem que sou muito importante, nem fizeram o esforço de uma chamada. Só tiveram tempo de uma mini-mensagem. É a vida. Se calhar é para eu aprender alguma coisa.

Amizades e redes sociais

Rapariga do Campo, 27.12.22

Dou graças por ter apagado as minhas redes sociais há algum tempo, não me lembro quanto. Dois anos, talvez mais? Descobri, por amigo meu, que uma amiga minha se tornou muito amiga de uma rapariga que era minha amiga e ambas não se davam muito bem. Nas costas diziam mal uma da outra. Agora acho que são só viagens juntas, com outro rapaz à mistura. Como as pessoas mudam. Mas esta minha amiga nunca me disse nada. Acho extraordinário como ela deve inventar desculpas nos momentos em que vai passear com eles e fica dias sem me responder. Nada contra, só acho que podia ser sincera se isto for realmente verdade. Uma vez disse que ficou de cama, que não tinha cabeça para o telemóvel, se calhar andou a passear e inventou essa desculpa. Se assim foi, mas podem ser coisas da minha cabeça, nunca pensei que ela fizesse isso, me mentisse. Espero mesmo que seja eu que estou a inventar.

Ao ter apagado as redes sociais não vejo essas viagens e não me sinto colocada de lado. Tentei manter muitas amizades mas não consegui, mas manter as redes sociais estava a fazer-me mal à saúde mental e por isso decidi apagar. Este meu amigo disse-me "Podias voltar a ter, não te fazia mal nenhum". Mas não me dei ao trabalho de explicar limitei-me a dizer "Pois, mas não era a mesma coisa" e fim da conversa. Para uma pessoa habituada a ter praticamente tudo duvido que ele fosse compreender. Tal como se chocou com o facto de os meus pais não me darem prenda de Natal provavelmente também se chocaria com a razão da minha saída das redes sociais. Assim não vejo vidas perfeitas, viagens, passeios e grupinhos. E eu aqui sozinha sem ninguém. Apenas eu e quem nunca me deixaria: os meus pais. Eles sim são as únicas pessoas verdadeiramente amigas e que nunca me abandonam.

Prendas de Natal

Rapariga do Campo, 26.12.22

Há pessoas que têm a necessidade de receber no Natal prendas de pessoas chegadas, principalmente dos pais e avós. Disseram-me que se não receberem ficam magoados com eles. Quanto mais não seja receberem uma "notinha". Quando eu disse que não recebia nenhuma prenda dos meus pais ouvi do outro lado da linha "O quê? Os teus pais não te dão nada? Nem uma notinha? Ai eu ficava chateado com eles, como é que isso pode ser". Gostava que esta conversa tivesse sido pessoalmente para ver a cara deste meu amigo quando este assunto veio à baila. "Não, eles não me dão nada porque eu sei a história toda que há para trás, sei o passado, sei porque é que não me dão aqui e vão dando ao longo do ano por isso. Cada família tem a sua história". Do outro lado quase não ouvi barulho e depois ouvi um "Pois é, todos têm a sua história" e uma espécie de suspiro suave como quem fica a pensar.

Por isso lá está, não há razões para eu ficar chateada com os meus pais porque eles no Natal não me dão prendas, já me vão dando tantas coisas ao longo do ano que podem ou não ser materiais, e isso para mim é muito mais valioso do que dar numa época do ano só porque é suposto.

Sentimentos

Rapariga do Campo, 25.12.22

Uma prima minha muda de namorado como quem muda de roupa interior. Em cinco anos de faculdade teve uns três namorados. Tirando aqueles dos quais eu não ouvi falar. Para mim isso seria impensável acontecer. Acho que sou demasiado sentimental, sinto demasiado os sentimentos - amor, amizade, tristeza, o que seja. Ou então é ela que se apaixona mas não muito a sério, e vive aquelas relações de forma leve e suave.

Já não sinto

Rapariga do Campo, 03.12.22

Telefonei. Nem cinco minutos falámos uma vez que eu estava a trabalhar e tive que lhe desligar o telefone: praticamente na cara. É a vida. Uma colega chamou-me e o trabalho era prioritário. Mais tarde liguei de volta, não me atendeu. Quando me retribuiu de volta, estava eu ocupada, não tinha o telemóvel comigo. Retribuí e não atendeu nem voltou a ligar-me. Temos pena. Não houve conversa de aniversário para ninguém. Se não for assim também não falamos de maneira nenhuma visto que ele não desenvolve as mensagens que lhe mando.

Naquele curto espaço de tempo vi que a parvoíce continua, a estupidez continua, e qualquer sentimento que eu ainda poderia ter pelos vistos é inexistente. Felizmente é inexistente! Demorou mas finalmente aquilo que eu sentia percebi, graças àquela curta chamada, que já não sinto.

Insignificância

Rapariga do Campo, 20.11.22

Mandei uma mensagem a saber como elas estão e a dar os parabéns a um familiar dela. Passaram-se três dias e não obtive resposta. Ainda bem que também mandei à mãe dela para dar os parabéns senão eu ainda passaria por esquecida, já que a pessoa não lê mensagens, dada a idade.

Estarei a ficar uma pessoa assim tão insignificante na vida dela que nem dois minutos há para enviar uma mensagem? É provável que sim. Resta aceitar.

Quererei casar e ter filhos?

Rapariga do Campo, 19.11.22

Por vezes faço-me estas perguntas. Estou solteiríssima da vida, sem namorado e sem qualquer amizade com possível relação. No entanto meto-me a pensar que até gostava de casar, ser levada até ao altar pelo meu pai, dar-lhe esse gosto uma vez que sou filha única. Por outro lado, não gosto de ser o centro das atenções... Quem sabe o que acontecerá na minha vida?

Posteriormente, filhos. Ou filhas. Menino ou menina? Desde que venha com saúde, é o importante não é? Mas acho que preferia uma menina. Só que lá está, o mundo já está tão carregado de pessoas... Depois vejo bebés a passarem a vida ou no infantário ou com avós. Comigo acho que não seria assim. Eu esforçar-me-ia para conseguir um acordo com a minha entidade laboral para ter um horário mais curto para poder estar com a minha/meu bebé. O trabalho não viria primeiro. Pelo menos é o que eu digo agora que não estou na situação não é... Sei lá eu o futuro. Só sei que me derreto com bebés, mas não demonstro, não dou a parte fraca. Mas por dentro estou toda derretida e com vontade de apertar e agarrar. Só que não posso senão vêm com perguntas chatas que não tenho paciência para responder.

Mas que até gostava de dar um genro e um neto ou uma neta aos meus pais, lá isso gostava. Sim... acho que isso traria alegria para a minha vida, mas também para a vida deles. Um rapaz para a minha mãe conversar sobre o Ronaldo ou música, para o meu pai falar de filmes, e uma criança para os alegrar com os seus gritinhos, ao começar a andar, abracinhos, e restante alegria que uma criança traz.

Acho que estou demasiado melancólica... Ou estarei maternal por ter tido contacto com crianças pequenas nesta semana? Mas pode ser que tudo isto aconteça. Acho que gostava mesmo que sim.

Amizades

Rapariga do Campo, 31.10.22

Há amizades que vêm e vão. Existem outras antigas que achamos que são para sempre mas afinal se calhar não são assim tão eternas.

Tenho uma amiga que voltou à minha vida recentemente. Tinha "desaparecido" e por muito que eu tentasse manter o contacto ela parecia fugir, não me respondia como deve ser, parecia que respondia de forma a querer manter-se afastada. Agora percebi o porquê. Quando ela tentou retomar contacto comigo, eu fiz-lhe o mesmo. Respondi friamente, ela tinha sido seca, "quando eu quis falar contigo não quiseste, então agora pago na mesma moeda", pensei eu. A situação foi a mesma que a dela naquela altura: estávamos ambas com problemas do foro psicológico mas em momentos diferentes. Felizmente agora, após uns 2-3 anos de interregno retomámos o contacto e acredito que será para durar pois temos estado a desabafar bastante uma com a outra sobre estas situações psicológicas, entre outras coisas, e penso que temos bastante a aprender uma com a outra.

O mesmo não posso dizer de outra amiga, a minha suposta melhor amiga. Se a anterior está a uns 250km de mim, esta está a uns 30 e mal me fala. Não me responde às mensagens e não consigo entender o porquê. Desde que casou e desde que foi mãe, ainda nem há um ano, que tudo mudou. Algo que ela disse que nunca iria acontecer. Mas aconteceu. Demora a responder a mensagens, ou então nem sequer me responde. O que aconteceu na última vez.

Começo a ficar cansada. Primeiro foi quando se casou, e acabámos por resolver as coisas, ela disse que ia esforçar-se por não deixar a nossa amizade para trás até porque eu apareci antes que o marido dela. Agora é com a filha. Eu compreendo e obviamente aceito que a miúda precisa da mãe, mas não arranja 5 minutos, no tempo em que ela está a dormir, para me responder a uma simples mensagem a saber como ela está? Se calhar bem posso morrer que ela nem dá por isso. Eu é que já não tenho redes sociais, se tivesse se calhar via publicações, se calhar para isso já tem tempo. Prefiro nem saber.

O melhor mesmo é eu não perder mais tempo com isto. As relações, sejam elas de amizade ou amor, não podem ser feitas apenas por uma pessoa a lutar por elas. Gostava que esta fosse uma amizade eterna como sempre jurámos que seria. Mas parece que isso não vai acontecer. E não vai ser por falta de esforço da minha parte.

O que me vale é que tenho amigas de outro lado. Só tenho pena que estejam a mais de 80-100 km de distância, ou até mesmo 250km. Isso é que tenho pena. Paciência. A vida é assim.

Acho engraçado

Rapariga do Campo, 27.05.22

Tem tempo para estar nas redes sociais mas não tem tempo para me atender o telemóvel e falar comigo cinco minutos. Dá a desculpa que tem que tratar da filha. É que nem para me responder às mensagens responde. Responde a uma e já vou com sorte. Dizia ela que nada ia mudar com o casamento, com o nascimento da filha... mas para os outros amigos, para as redes sociais tem havido tempo, agora para quem esteve sempre ao lado dela há mais de uma década... essa fica para trás.